30 de ago de 2014


Amazônia pulsa, imprensa o peito e faz arfar. Amazônia pressiona e faz chorar. Rio que corre sem pressa, e leva pra dentro, lava o fundo. Liberta com dor.

Beleza que foge do peito.
Amor que sai para fora da palavra.

Nenhum comentário: