19 de mar de 2008

Escuridão fértil

Minha felicidade
me
assusta

em surtos

e a
guar
do

como em t r e p i d a n t e s fotos

Não há nela enredo, continum, novelo

É frag mento

poes ia concreta,

ex certos


Mas chega o dia que sentada na pedra cinza chumbo do rio
com a mão molhada em prata de uma lua alta
recolho minhas imagens de seus vôos soltos

Monto em mim sozinha
meu Quebra-cabeça
e ao fim
vejo que mesmo assim não há ainda história única,
não há sequer um conto só.

Há apenas a imagen de um céu da noite pipocado de estrelas que ligo como a brincadeira pede e apenas se a brincadeira é esta. E no fundo a escuridão -meu próprio não- de onde todas as fotografias são e v ã o