23 de jan de 2017

A lua e eu

Meu corpo sob o atlântico
E diante de pupilas exaltadas
a África

Um satélite à espreita,
laranja, despontando no deserto,
me queima pela janelinha do avião.

Será um reflexo dele no mar português?
Minha lágrima salgada também cai nessa água.
Abismo e espelho desse céu
tombado aos meus pés.

Vejo sinal de esperança.
Indicação da trilha.

Rito de passagem
para essa jornada de busca
a que me lanço agora.

Nenhum comentário: